• LinkedIn
  • Subcribe to Our RSS Feed
Browsing "Mapeamentos NDVI"

A Fertilização do Futuro?

Fernando Pessoa em Tempos Disse “O Caminho Faz-se Caminhando…” e Após Alguns Anos de Trabalho com o NDVI, Sentimos a Necessidade de Melhorar e Complementar a Nossa Oferta de Serviços… Não Por Ser Mais um Serviço para o Nosso Portfolio, mas Porque os Nossos Clientes o Impõem com a Necessidade de Gerir a Muita Informação que Obtemos da Nossa Atividade na Vinha.

Estando o NDVI relacionado com o Vigor e este Muitas Vezes Dependente do Estado Nutricional da Vinha/Parcela, Torna-se Essencial Identificar as Zonas em Défice, de Forma a Controlar a Evolução Nutricional da Vinha, Optimizando a aplicação de Fertilizantes com a Sua Aplicação em Taxa Variável (VRT – Variable Rate Technology).Fertilização Georeferenciada

Para Alguns dos Nossos Clientes, Começa a Impor-se o Fecho do Loop da Viticultura de Precisão, que Mais não é Que Gerir toda a Informação e Lançar Mapas para a Aplicação em VRT (Variable-Rate Technology).

Onde Começámos à 3 Anos com um Simples Mapa NDVI… Hoje… Já Começamos a Pensar em Aplicação Diferenciada de Fertilizantes e Produtos Farmacêuticos.

O Caminho… Faz-se mesmo Caminhando…

Entre em Contato…

 



O Que as Grandes Empresas Viticolas Fazem mas não Dizem

Hoje escrevemos sobre um tema essencial para aumentar a sustentabilidade económica do nosso negócio de produção de vinhos… Entender qual o verdadeiro valor entre Vinhos de Guarda (gama premium) e os Entrada de Gama numa empresa Vitivinícola.

O Ponto de Vista do Empresário

A meu ver a vitivinicultura é um negócio de “Status Social”,  digo isto porque a muito da “industria” passa por grandes empresários, médicos e advogados, é certo que trazem sérias mais valias ao negócio, mas entram nele com a intenção e a ilusão de produzir vinhos de alta qualidade… Esquecendo que são os entradas de gama, que dão movimento ao projecto vitivinícola… Não acredita? pergunte por exemplo às detentoras de grandes marcas, que detêm marcas de vinhos que bebemos todos os dias (não quero particularizar), qual é o impacto destes na facturação anual…?O impacto certamente é tremendo nas contas finais da empresa… Porque são para consumir todos os dias, são vinhos de combate… Enquanto vendemos 1 garrafa de gama premium saem da nossa adega 1000 garrafas de Entradas de Gama/Gama Média.

Muitas vezes é o próprio investidor/empresário que não entende esta dinâmica sobrepondo a paixão, o mediatismo que o projecto quer alcançar ao pragmatismo que o projecto deve exigir.

A meu ver, a gama Premium deve ser de âncora a todo o projeto, deve dar visibilidade pelos prémios, pelas referências na imprensa especializada e ter a capacidade de potenciar esse mesmo mediatismo.

Como a Viticultura pode Ajudar

E qual o papel da viticultura?

A viticultura joga um papel importante na diferenciação do produto e sustentabilidade do negócio, primeiro porque não posso produzir uvas de 0,50€ a entrarem em lotes de gama media/baixa e segundo… dentro da vinha, por mais pequeno que ela seja, encontro uvas “muito boas” e uvas “menos boas”, podendo por vezes esta diferença ser tremenda e a enologia prefere sempre a homogeneidade de baixa qualidade à heterogeneidade da parcela.

É essencial conhecer a parcela ou vinha, descobrir os melhores “spot’s” de uva, aqueles onde a uva apresenta as maiores quantidade de antocianas por ex. e neste aspecto o mapeamento NDVI pode ser uma grande ajuda… e uma potente ferramenta para o descobrir.

Catalogando e diferenciando qualitativamente a vinha, podemos adequar as operações culturais (mondas, rega, fertilizações, podas etc) ao potencial enológico da vinha/casta ou talhão, induzindo uma maior/menor produção consoante o destino da uva…

Como assim?

Podemos produzir bem mais em vinhas em que a uva se destina a Entradas de Gama… reduzindo assim o valor €/kg de uva… Podendo por vezes surgir surpresas… com vinhas de 10.000Kg/ha a darem origem a vinhos de guarda.

Em estilo de conclusão… O que as grandes empresas fazem mas não dizem é muito simples… Sabem perfeitamente que devem diferenciar as práticas e as técnicas na vinha, reduzindo assim o custo da uva e canalizando-a à partida para lotes de entrada de gama, aumentando assim a sustentabilidade e o valor do negócio.

Portanto se vai empreender algum negócio vitivinícola, não esqueça… Seja pragmático… Inicie com a produção de gamas mais baixas, pois estas geram retornos mais rápidos e vá crescendo o seu portefólio consoante vai aumentando o conhecimento da sua vinha…

Porque todos gostamos do reconhecimento ao nosso projeto

Quer Saber Mais Sobre Nós…  

Entre em Contato…

Subscreva a nossa Newsletter


Regulamento UE_2015_561 – Novas Plantações

Abr 10, 2015   //   by Pedro Tereso   //   Gestão de Rega, Mapeamentos NDVI, Sustentabilidade  //  No Comments

 

Plantação de Vinha com Maquina

Saiu o novo regulamento que aborda as questões relacionadas com as novas plantações e respetivos direitos, que agora se passam a chamar Autorizações… Contudo ao ler as noticias não nos parece que os títulos não correspondem totalmente à verdade… Continua a haver limitações impostas pelo estado, contudo este deve disponibilizar uma área mínima todos os anos. Parece-nos que os Direitos de Replantação mantêm-se sem grandes alterações além da designação mas terminam as alienações de Direitos entre privados.

Para Saber Mais Sobre o Regulamento…Download do Regulamento




 

Interpretação Imagens NDVI

Set 7, 2014   //   by Pedro Tereso   //   Gestão de Rega, Mapeamentos NDVI  //  No Comments

Interpretação NDVIPois é…

Hoje estivemos em Campo Maior… foi dia de entrega e interpretação das cartas/mapas NDVI.

Mapas na mão… e verificámos o porquê da heterogeneidade dos diferentes talhões.

Um dia produtivo e com muitas surpresas… Aqui fica o registo fotográfico

Como o fazemos?

Não limitamos o nosso apoio ao simples fornecimento da carta/mapa NDVI… Vamos ao campo com o produtor e procuramos soluções para os problemas encontrados nas zonas desfavoráveis do talhão.

Asfixia radicular, compactação do solo, carências nutricionais são alguns dos problemas mais comuns que esta “radiografia” detecta.

Para além da detecção de problemas, tambem estamos a associar as imagens NDVI à gestão de rega, diferenciando na vinha a qualidade dos seus vinhos… porque cada gama tem necessidades de água diferente

Queres Saber Mais? Entra em Contacto

6 Dicas Para Escolher Boas Imagens NDVI

Abr 15, 2014   //   by Pedro Tereso   //   Mapeamentos NDVI, Sustentabilidade  //  No Comments

Esta semana queriamos partilhar consigo, algumas dicas que deve seguir para escolher um bom fornecedor de Imagens NDVI.

Os drones e as imagens NDVI estão na moda e basta pesquisar para encontrar diversos fornecedores de cartas NDVI. Contudo antes mesmo de escolher o prestador do serviço deve ter em atenção os seguintes pormenores…

Resolução da Imagem
Tenha em atenção que para retirar o máximo das suas imagens deve ter acesso a uma imagem de elevada resolução, ou seja deve perguntar pelo pixel da imagem… opte sempre por pixeis “pequenos”, por exemplo um pixel de 20 em 20 cm e evite as imagens com 2 a 3 metros de pixel. Imagine… Se tem plantas de metro a metro quantos pixeis de 20 em 20 cm apanha uma planta? Pelo menos 5 pontos (pixeis) de medida…

Satélite Vs Drone/Avião
Esta dica está intimamente ligada com o ponto anterior, porque normalmente imagens de satélite apresentam um pixel bastante grande (2 a 3 metros) o que reduz a resolução da própria imagem. Opte sempre por imagens de drone ou avião pois garantem maior resolução.

Pixel Puro
A questão é… O NDVI incide só sobre a sebe ou tambem inclui a entrelinha? Se também incide sobre a entrelinha está a falsear o mapa de vigor… da sua vinha.

Drone vs Avião
Devemos dar especial atenção à qualidade da imagem, assim tem pouco interesse a forma como ela (imagem) é obtida… Contudo podemos entrar com o valor do investimento… Em pequenas áreas, o drone leva vantagem, mas para grandes torna-se quase “impraticável”… e aqui o avião é preferível.

Assistência Pós-Venda
Se não está habituado a lidar com este tipo de cartas, deve evitar a aquisição das mesmas a empresas que não dão apoio na gestão da imagem… Pois, o mais certo é não retirar o máximo de potencial das suas imagens. Tente que o seu fornecedor da imagem responda à questão “O que posso fazer com as imagens?”

Imagem Georeferenciada
Prefira sempre as imagens georefenciadas… Para além de poder incluir num SIG, saberá sempre a localização de determinada planta, já para não falar de poder utilizar a imagem no sistema de taxa de aplicação variável.

Um último conselho… Não olhe só para o valor do investimento na imagem NDVI. Siga estas dicas e encontre a melhor solução para a sua vinha.

Para Saber Mais… Entre em Já Contacto

Mapeamentos NDVI na Encosta do Sobral

Mar 20, 2014   //   by Pedro Tereso   //   Mapeamentos NDVI  //  No Comments

Mapear e segmentar a vindima não é só para as vinhas regadas… Na região do Tejo, já há quem o faça em sequeiro…

O Mapeamento NDVI é uma ferramenta muito difundida principalmente nas regiões de Napa Valley e na Austrália, em Portugal já são muitas as empresas vitivinicolas que já experimentaram segmentar a vindima, uma delas foi a Encosta do Sobral.

Fez o mapeamento e gostou do resultado… Conferira a opinião do Engº Pedro Sereno da Encosta do Sobral sobre a viticultura de precisão e os mapeamentos NDVI…

Gostava de obter mais informações? Entre já em contacto

Encostas de Estremoz Já Fez Mapeamento NDVI

Mar 16, 2014   //   by Pedro Tereso   //   Mapeamentos NDVI  //  No Comments

Ainda tem dúvidas sobre as potencialidades do Mapeamento NDVI?

O Mapeamento NDVI é uma ferramenta muito difundida, principalmente nas regiões de Napa Valley e na Austrália, em Portugal já são muitas as empresas vitivinicolas que já experimentaram segmentar a vindima, uma delas foi a Encostas de Estremoz.

Fez o mapeamento e gostou do resultado… Conferira a opinião do departamento técnico da Encostas de Estremoz sobre a viticultura de precisão e os mapeamentos NDVI…

Gostava de obter mais informações? Entre já em contacto

A Nova Rega Começa na Vinha Velha

Fev 15, 2014   //   by Pedro Tereso   //   Gestão de Rega, Mapeamentos NDVI, Sustentabilidade  //  No Comments

Quantos de nós temos diferenças de vigor na mesma parcela ou sector de rega?

Um dos grandes desafios da viticultura é aumentar a homogeneidade da parcela ou sector, evitando diferenças de vigor dependentes da variabilidade do solo. Hoje com os mapeamentos por NDVI podemos homogeneizar e introduzir a rega de precisão antes mesmo de instalar a nova vinha.

Todo o processo de instalação da vinha é muito importante para evitar problemas futuros e por isso investimos o nosso tempo e dinheiro a projectar e a instalar a vinha. Para alem de tratar  das plantas, da preparação do terreno e das fertilizações… não se esqueça de mapear por NDVI a sua vinha antes mesmo de a arrancar…E porquê?mapa de ndvi

Olhando para a nossa vinha, conseguimos a olho nú, identificar diferentes zonas de vigor que se vão mantendo ao longo dos anos… portanto a variabilidade está e vai continuar na vinha, se não for manipulada pelas diversas operações culturais (poda, a de gestão do solo, a rega e as fertilizações).

Onde entra o NDVI?

Fazer o mapeamento por NDVI na vinha que vai arrancar, vai “apanhar” os segmentos do “olho nú” e outros que a nossa vista não alcança, assim conhecendo a variabilidade pode trabalhar ao nivel do projecto de rega na uniformização de sectores, permitindo adequar  a variabilidade de solo ao sistema de rega.

Sabemos que em situações de boa nutrição das plantas, a quantidada de água no solo torna-se ponto critico na gestão do vigor da vinha, como tal o mapeamento NDVI é a ferramenta adequada para segmentar as novas parcelas e sectores de rega e comecar assim a rega de precisão, adequando as reais necessidades das plantas às zonas homogéneas.

Associar o mapeamento NDVI com o projecto de rega, irá permitir aumentar a eficiência na aplicação de água na parcela de vinha, homogeneizando o vigor e induzindo o aumento da qualidade à vindima… Porque a enologia prefere sempre a homogeneidade mesmo que de fraca qualidade à homogeneidade resultante da mistura de boas e “más” uvas.

Por isso deixo aqui um conselho…

Invista na instalação da sua vinha para evitar problemas futuros, adeque os seus recursos e acima de tudo aumente a qualidade das suas uvas com a instalação da sua vinha.

Até Breve

Pedro Tereso

Mais Informações entre e contacto aqui

Dimensionamento e Projecto de rega  

Fez Mapeamento NDVI? E Agora…

Jan 10, 2014   //   by Pedro Tereso   //   Gestão de Rega, Mapeamentos NDVI, Sustentabilidade  //  No Comments

Investiu no mapeamento NDVI? E agora?

Verifico que cada vez mais, temos de trabalhar no pós-colheita de imagens, para retirar todo o potencial das mesmas e coloca-las ao dispor da industria vitivinícola, pois não à muito tempo, a meio de uma conversa com um enólogo de uma empresa de referência nacional, ele perguntou-me… “bem, tenho o mapeamento e agora?… O que lhe faço?”

Ao que lhe respondi… “agora tens aí uma ferramenta potente para trabalhares na vinha e na adega…” Como?

As imagens por NDVI são uma importante ferramenta para avaliar a variabilidade espacial no seu talhão, na sua vinha. Com ele podemos rapidamente detectar os problemas que existam na nossa vinha. Ou seja sempre que exista um fenómono que apresente impacto na área foliar da planta, sejam eles problemas nutritivos, fitosanitários ou resultantes de stress hídrico imposto, a imagem NDVI, depois de validação “in loco”,  consegue captar e segmentar essas diferenças no vigor das plantas.

A Gestão das Imagens

O objectivo chave do mapeamento NDVI passará sempre pelo aumento da sustentabilidade do negócio, porque não só é um investimento marginal (a rondar os 0,01€/garrafa) como permite reduzir custos associados à operacionalidade e gestão viticola como tambem pode ter um forte impacto na qualidade da uva e por conseguinte na qualidade final do produto.

Um dos maiores e mais visivel impacto da imagem será na rega, pois com um mapeamento NDVI antes da instalação podemos adequar o projecto de rega às condicões do local a instalar a vinha e com isso obter importantes poupanças na eficiência de distribuição de água de rega, dando início à chamada rega de precisão. Quando o sistema de rega já está instalado, podemos adequar a estratégia de rega de forma a manipular e homogenizar o vigor na parcela de vinha.

As imagens NDVI (ao pintor) são excelentes ferramentas para segmentar a qualidade da uva à vindima, uma rápida validação pela prova do bago, permite à enologia determinar diferenças significativas nos açucares, nos polifenois totais, na prova, no tamanho do bago entre outros parametros.

O controlo da maturação nos diferentes segmentos (classes de NDVI) permite planear a vindima de forma mais eficaz não só por colher as suas uvas no ponto óptimo de maturação, como dentro do mesmo talhão de Alicante Bouschet, pode ter várias opções de lote, aumentado a qualidade final do produto.

Se pretende num futuro próximo, fazer análises de solo ou foliares, deve aproveitar e utilizar o mapeamento NDVI e as respectivas classes para a amostragem, retirando sub-amostras nas diferentes classes NDVI, adequando os recursos às reais necessidades do talhão. Funciona para vinhas já instaladas, bem como por instalar.

Diferentes classes de NDVI, permitem identificar pontos problemáticos ao nivel fitosanitário, onde podemos focalizar e iniciar operações em verde (para promover arejamentos por ex.) ou tratamentos fitosanitários.

Toda esta informação é georeferênciada e pode ser utilizada tanto em avançados dispositivos controlados por GPS como num simples mapa com validação manual na vinha. Se já tem um mapeamento, aproveite ao máximo esta ferramenta e começe já a trabalhar…

Até Breve

Pedro Tereso

Páginas:12»